17/06/2015

O MITO DO COLESTEROL

Há pelo menos 50 anos, médicos não-convencionais têm tido sucesso na prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares apenas com mudanças na alimentação, atividade física e alguns suplementos alimentares, sem usar fármacos. Há pelo menos 8 anos, médicos não-convencionais vêm advertindo sobre o mito do colesterol baixo para reduzir o risco de doenças cardíacas. Em agosto de 2010, Dr. Joseph Mercola publicou um extenso e minucioso artigo, explicando todo o mito do colesterol. O artigo é muito longo para traduzir todo, então só traduzi alguns trechos importantes, mas o link para o artigo completo, em inglês, está no final.

 

“O MITO DO COLESTEROL QUE PODE ESTAR PREJUDICANDO A SUA SAÚDE 

 

Você precisa de colesterol. Essa cera macia é encontrada não só na sua corrente sanguínea, mas também em cada célula do seu corpo, onde ela ajuda a produzir membranas celulares, hormônios, vitamina D e ácidos biliares que ajudam a digerir gordura. O colesterol também ajuda na formação de suas memórias e é vital para a função neurológica. 

 

A American Heart Association (AHA) recomenda que seu colesterol total seja inferior a 200 mg/dL, mas o que eles não dizem é que o nível de colesterol total é praticamente inútil para determinar o seu risco de doença cardíaca, a menos que esteja acima de 330. 

 

Além disso, a AHA atualizou as suas diretrizes em 2004, baixando o nível recomendado de colesterol LDL de 130 para menos de 100, ou mesmo inferior a 70 para os pacientes em risco muito elevado. 

 

Para atingir esses níveis perigosamente baixos, uma pessoa precisa tomar várias drogas redutoras de colesterol. Assim, as diretrizes instantaneamente ampliaram o mercado para essas drogas perigosas. Agora, com o teste de níveis de colesterol das crianças, o mercado aumentou ainda mais. 

 

Ron Rosedale, MD, que é considerado um médico líder em anti-envelhecimento nos Estados Unidos, explica muito bem este conceito: 

 

‘LDL e HDL são lipoproteínas: gorduras combinadas com proteínas. Existe apenas um colesterol. Não existe" bom "ou" mau "colesterol. 

Colesterol é apenas colesterol. 

 

Ele combina com outras gorduras e proteínas para ser transportado através da corrente sanguínea, já que a gordura e o nosso sangue aquoso não se misturam muito bem. 

 

Substâncias gordurosas, portanto, devem ser transportadas para os nossos tecidos e células usando proteínas. LDL e HDL são formas de proteínas e estão longe de ser apenas o colesterol. 

 

Na verdade, nós agora sabemos que há muitos tipos dessas partículas de gordura e proteína. Partículas de LDL vêm em muitos tamanhos e grandes partículas de LDL não são um problema. Somente as chamadas pequenas partículas densas de LDL podem ser potencialmente um problema, porque podem penetrar no revestimento das artérias e, caso oxidem, podem causar danos e inflamação. 

 

Assim, pode-se dizer que há ‘LDL bom’ e ‘LDL ruim’. 

 

Além disso, algumas partículas de HDL são melhores do que outras. Saber apenas o colesterol total lhe diz muito pouco. Mesmo sabendo o LDL e o HDL não irá dizer-lhe muito. 

 

O colesterol é também um precursor de todos os hormônios esteróides. Não podemos produzir estrógeno, testosterona, cortisona, e uma série de outros hormônios vitais sem colesterol.’ 

 

COLESTEROL E VITAMINA D

A melhor maneira de obter a sua vitamina D é através de exposição segura da pele ao sol . Os raios UVB interagem com o colesterol na sua pele para convertê-lo em vitamina D. Em outras palavras, se o seu nível de colesterol estiver muito baixo, você não vai produzir quantidades suficientes de vitamina D. 

 

COLESTEROL E INFLAMAÇÃO 

Inflamação é a resposta natural do seu corpo aos invasores que percebe como ameaças. É o processo de inflamação que, por exemplo, lhe permite cicatrizar um corte. 

 

Se as suas artérias estão danificadas, um processo muito semelhante ocorre no interior do seu corpo, exceto que uma "cicatriz" em sua artéria é conhecida como placa. 

 

Esta placa, juntamente com o espessamento do sangue e constrição dos vasos sanguíneos que normalmente ocorrem durante o processo inflamatório, pode realmente aumentar o risco de pressão alta e ataques cardíacos. 

 

O colesterol entra em cena porque é necessário para substituir as células danificadas. Lembre-se que nenhuma célula pode se formar sem ele. 

 

Então, quando há células danificadas que precisam ser substituídas, o seu fígado será notificado para produzir mais colesterol e liberá-lo em sua corrente sanguínea. Este é um processo deliberado que ocorre para que o seu organismo possa produzir células novas e saudáveis. 

 

Aos olhos da medicina convencional, quando vêem aumento do colesterol na corrente sanguínea, eles concluem que ele é a causa de ataques cardíacos. 

 

O que me leva ao meu próximo ponto. 

 

A insanidade de diminuir o colesterol 

Sally Fallon,  presidente da  Weston Price Foundation, e Mary Enig, Ph.D, especialista em bioquímica de lipídios chamam  colesterol elevado de  ‘uma doença inventada, um problema que surgiu quando os profissionais de saúde aprenderam a medir os níveis de colesterol no sangue.’ 

 

Se você tem níveis elevados de colesterol, é, pelo menos em parte, por causa do aumento da inflamação em seu corpo. O colesterol está lá para fazer um trabalho: ajudar o seu corpo a curar e reparar danos. 

 

A medicina convencional perde inteiramente a pista quando, perigosamente, recomenda a redução do colesterol com drogas como caminho para reduzir o risco de ataques cardíacos, porque o que realmente precisa ser endereçado é o que está causando a inflamação. 

 

Se o seu colesterol está muito baixo... 

 

Todos os tipos de coisas desagradáveis ​​podem acontecer ao seu corpo. Lembre-se, cada uma de suas células necessita de colesterol para prosperar - incluindo as células do seu cérebro. Talvez seja por isso que baixo colesterol pode causar estragos em sua psique.

 

Um grande estudo conduzido por pesquisadores holandeses descobriu que homens com níveis cronicamente baixos de colesterol apresentam maior risco de ter sintomas depressivos. 

 

Isto pode ser devido ao colesterol afetar o metabolismo da serotonina, uma substância essencial para o equilíbrio emocional. 

 

Estatinas trabalham inibindo uma enzima no fígado que é necessária para a fabricação não somente de colesterol, mas de toda uma família de substâncias intermediárias com importantes funções bioquímicas. 

 

Para começar, as estatinas esgotam a Coenzima Q10 (CoQ10), que é benéfica para a saúde do coração e da função muscular. Como os médicos raramente informam seus pacientes sobre esse risco, nem os aconselha a tomar um suplemento de CoQ10, esse esgotamento leva à fadiga, fraqueza muscular, dor e, eventualmente, insuficiência cardíaca. 

 

Dores musculares e fraqueza, uma condição chamada rabdomiólise, é na verdade o efeito colateral mais comum de estatinas, possivelmente porque estatinas ativam o gene atrogina-1, que desempenha um papel fundamental na atrofia muscular. 

 

Drogas redutoras de colesterol podem efetivamente reduzir seus níveis de colesterol, mas elas ajudam a prevenir doenças cardíacas? 

 

Felizmente, em 2006, uma revisão nos Anais de Medicina Interna descobriu que não há provas suficientes para apoiar os números-alvo delineados pelo painel. Nessa revisão os autores não conseguiram encontrar evidências de que alcançar um nível alvo de LDL seja importante em si mesmo, e descobriram que os estudos de tentaram justificar essas medidas sofriam de grandes falhas. 

 

A BusinessWeek publicou uma excelente matéria sobre esse mesmo tema no começo deste ano. Eles descobriram números reais no próprio anúncio do Lipitor no jornal da Pfizer. 

 

À primeira vista, o anúncio diz que Lipitor reduz ataques cardíacos em 36 por cento. Mas há um asterisco. E quando você segue o asterisco, você encontra o seguinte, em tipografia muito menor: 

 

"Isso significa que em um grande estudo clínico, 3% dos pacientes que tomaram uma pílula de açúcar ou placebo teve um ataque cardíaco em comparação com 2% dos pacientes que tomaram Lipitor." 

 

Ou seja, para cada 100 pessoas que tomaram a droga por mais de três anos, duas pessoas tiveram ataques cardíacos. Para cada 100 pessoas que tomaram placebo, três pessoas tiveram ataques cardíacos. Tomar Lipitor resultou em apenas um ataque cardíaco a menos por cada 100 pessoas. 

 

E as outras 99 pessoas... bem, elas apenas desperdiçaram dinheiro e aumentaram seu risco de uma infinidade de efeitos colaterais para nada. 

 

Estatinas aparentemente reduzem a inflamação, diminuindo assim o risco de ataque cardíaco e derrame, mas você pode reduzir inflamação de forma natural, sem arriscar qualquer um dos inúmeros efeitos colaterais de medicamentos de estatina.”

 

Leia o artigo completo, em inglês, aqui. 

Saiba como reduzir os níveis de inflamação no seu corpo aqui. 

Leia também o artigo MAIS UMA NOTÍCIA RUIM SOBRE AS ESTATINAS.

« Veja todas as notícias

Visita Virtual Fotos Testemunhos Perguntas Frequentes
Sítio Serra Verde, Catimbau, Buique - PE
Fone: 87 99904.8080 (Tim/Whatsapp)